RETROSPECTIVA: COMO O MERCADO EAD REAGIU AOS ACONTECIMENTOS DE 2020?

O ano de 2020 entrará para a História como sendo um dos mais desafiadores dos últimos 100 anos. Em poucos meses, o mundo teve que se adaptar ao chamado “novo normal” promovido por um elemento oculto: o novo coronavírus.

 

Nesse sentido, criar alternativas para seguir em frente foi o mote de todos os setores da sociedade, e o mercado EAD já estava na frente. Ao contrário de muitos outros, foi um dos que mais teve fôlego para seguir em um contexto repleto de incertezas.  

 

Sendo assim, já parou para pensar nos fatores que podem ter acelerado as mudanças no ensino a distância? Seria a EAD mais do que uma solução educacional para tempos de pandemia? Sabia que se trata da modalidade que mais cresce no setor? Conhece as possibilidades oferecidas aos estudantes? Vamos lá!

 

ANO NOVO, VIDA NOVA?

A virada de 2019 para 2020 impôs ao planeta mudanças que não estavam nos planos de ninguém, e isso pode ser dito de maneira segura por quem quer que seja. Ninguém imaginaria que, em poucos meses, todos estariam curvados a um inimigo invisível e quase totalmente desconhecido pela ciência: a covid-19, que eclodiu em Wuhan, na China.

 

Com o espalhamento do vírus pela Ásia e Europa – e em tempo recorde pelos demais continentes – o cotidiano das pessoas passou a ser pautado pelo uso de máscaras, álcool em gel, distanciamento social, isolamento e a presença massiva da tecnologia. Tudo para minimizar os efeitos danosos, os quais não pouparam nenhum segmento (econômico, social, político e humano), dessa que tem sido considerada a maior pandemia dos últimos 100 anos.

 

E nesse “pacote” de ano novo, certamente uma das questões mais debatidas entre especialistas e autoridades mundiais – e que continua em voga – é como ficaria a educação de bilhões de crianças, jovens e adultos ao redor do mundo.

 

MUDANÇAS DA NOITE PARA O DIA

Da noite para o dia, decretou-se lockdown (confinamento) em várias partes do globo, e os impactos da medida não se restringiram às pessoas infectadas. Na educação, por exemplo, segundo a Unesco, órgão das Organizações Unidas para a Educação e Cultura, 1,5 bilhão de estudantes tiveram suas aulas suspensas ou reconfiguradas para assegurar a interrupção do contágio entre os alunos e o restante da população.

 

Foi então que a tecnologia aplicada à educação passou a ocupar um protagonismo nunca visto até o momento. Plataformas até então desconhecidas pelo contingente populacional tornaram-se membros de almoço, jantares, e claro, do dia a dia de bilhões de estudantes.

 

A SOLUÇÃO EDUCACIONAL PARA TEMPOS DE ISOLAMENTO

No Brasil, o Ministério da Educação (MEC), autorizou por meio da portaria n. 343 que o ensino – desde o básico até o superior – passasse a ser realizado emergencialmente na modalidade remota, popular e erroneamente conhecida como EAD. Isto porque há grandes diferenças entre elas, as quais precisam ser compreendidas para entendermos o cenário vigente nesse segmento.

 

O ensino remoto emergencial se caracteriza como temporário. Em outros termos, ele vem para cumprir um cronograma presencial por meio de aulas on-line (que podem ser ministradas por chamadas de vídeo, até com a ajuda do WhatsApp).

 

Por sua vez, o EAD (sigla para educação a distância), que já vigora no país, de forma regulamentada, desde 1996, com a criação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, é um modelo de ensino totalmente planejado para que aconteça parcial ou totalmente remoto.

 

Mas a diferença aqui não se restringe apenas a isso. A educação a distância apoia-se em metodologias, como as ativas, que privilegiam o protagonismo do aluno e valorizam a autonomia e a disciplina. Todas as estratégias são pensadas com muito cuidado e previamente definidas, conforme as tendências educacionais modernas. Em outras palavras, um curso a distância é minimamente planejado, desde a modelagem inicial do curso que será oferecido, até as formas de avaliação do estudante.

 

Um curso EAD ainda conta com o apoio de tutores e o uso de diferentes recursos audiovisuais pautados, principalmente, em tecnologias inovadoras. Além disso, é evidente que, no cenário reconfigurado percebido atualmente, quem já estava na modalidade EAD não sentiu os impactos da mesma maneira: ao contrário, aproveitou as oportunidades e teve ganhos expressivos, uma vez que houve migração de quem estava no sistema presencial para o EAD.

 

DADOS ACERCA DO CRESCIMENTO DA MODALIDADE EAD EM 2020

Hoje, o ensino superior a distância no Brasil já ultrapassa os 26% do número total de matriculados nos cursos de graduação e de pós-graduação, de acordo com dados do Ministério da Educação.

 

Segundo o INEP, 1,7 milhões de brasileiros se matricularam no ensino a distância somente nos primeiros meses de 2020 (entre março e abril, houve um aumento de 70% nas matrículas, conforme levantamento do grupo Catho Educação), o que demonstra uma adesão à modalidade em um momento de retração econômica, decorrente de medidas implementadas para conter a propagação do contágio pelo vírus.

 

VANTAGENS DA MODALIDADE EAD PARA OS ESTUDANTES

Embora a EAD já tivesse um grande mercado, a pandemia tem contribuído para o crescimento da modalidade, mostrando que ela veio para ficar. Ou seja, não se trata de um paliativo educacional. Isso porque há inúmeras vantagens oferecidas por esse modelo, tais como:

 

  • flexibilidade (o aluno pode estudar onde estiver e por meio do dispositivo que possuir);
  • baixo custo;
  • material de alto nível;
  • ensino de qualidade;
  • certificados com reconhecimento no mercado de trabalho.

Nesse sentido, a EAD acabou se tornando a primeira – e melhor opção – para continuarmos estudando, com investimento que cabe no orçamento, e ainda acesso aos recursos educacionais mais sofisticados e amplamente implementados na modalidade.

 

BENEFÍCIOS DE UMA METODOLOGIA EDUCACIONAL DESENVOLVIDA E DIRECIONADA

Os benefícios da educação a distância vão além dos já mencionados, pois os estudantes têm acesso a LMS (Sistemas de Gestão de Aprendizagem, também conhecidos como Ambientes Virtuais de Aprendizagem ou AVA) estruturados de tal modo que permitem o acesso a ferramentas de apoio à aprendizagem. Além disso, há:

 

  • biblioteca on-line: disponível para consultas das leituras recomendadas;
  • fóruns: nos quais é possível interagir com os colegas de curso;
  • inclusão: pessoas que, por motivo ou outro, não podem frequentar um ensino presencial, beneficiam-se da modalidade a distância;
  • praticidade: para quem precisa conciliar inúmeras atividades, é uma alternativa mais do que interessante.

 

Fica, claro, portanto, que a EAD não é uma opção emergencial, mas uma modalidade legalmente validada, reconhecida pelo mercado de trabalho e que pode trazer qualidade para o ensino brasileiro.

 

 

TAGS: ensino a distância; EAD; modalidade; ambiente virtual; LMS; ensino; aprendizagem; metodologia; educação planejada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rolar para cima