Mudanças do MEC devem aumentar a oferta de EaD

 

O CEO da DTCOM acredita que as alterações vão beneficiar as IES e aumentar a oferta de EaD. Confira.

 

O Decreto publicado na semana passada vai facilitar a abertura de cursos de educação a distância pelas Instituições de Ensino Superior (IES) e reduzir o tempo do processo de credenciamento junto ao MEC.

Uma das principais mudanças na legislação é que as IES poderão oferecer exclusivamente cursos de graduação e de pós graduação lato sensu na modalidade a distância. Antes, era necessário que houvesse ao menos um curso presencial equivalente.

Em alguns casos, as IES poderão agilizar a criação de polos e as vistorias do MEC serão apenas na sede da instituição  –  e poderão ser feitas em meses, o que, antes, levaria anos.

O CEO da DTCOM, Norton Moreira, avalia que a EaD irá crescer muito com a mudança. “Tal alteração permite que as instituições trabalhem melhor a flexibilidade de cursos, atendendo a um número maior de estudantes. Certamente, vai expandir muito a atuação das IES”, lembra o CEO.

Toda essa mudança é para alcançar a Meta 12 do Plano Nacional de Educação (PNE), que diz que a taxa bruta de matrícula na educação superior deve ser de 50%, e a líquida de 33% na população de 18 e 24 anos. O atual índice do Brasil é abaixo dos 20%. Na Argentina e Chile, é de 30% e, nos EUA, passa dos 60%, por exemplo.

“As instituições menores poderão se aproximar das pessoas que ainda não têm curso superior, aumentando sua captação e retenção”, destaca a Diretora de Educação da DTCOM, Rita Guarezi.

As mudanças foram publicadas no Diário Oficial da União, na última sexta, 26.

SalvarSalvar

Rolar para cima