Esqueceu sua senha?

Portal Competência

31 de outubro de 2014
Sandro Gomes


Planejamento Estratégico

Como pensar em planejamento estratégico de maneira simples?

Planejamento Estratégico

Falar de Planejamento Estratégico (PE) de maneira simples é algo necessário. Afinal, quantas empresas sequer começam o seu, por achar complexo demais, e quantas outras não o terminam, e com isso ficam sem um norte. Na essência, o que é um PE? Como pensar nisso de maneira simples? Afinal, pode ser conveniente ter algo simples e prático hoje para definir um norte, e caminhar nesse rumo. Além disso, podemos amadurecer o PE posteriormente, alimentados pelas experiências adquiridas. Por que não começar guiados por perguntas simples e inquietantes?

- Onde minha empresa está agora? (Presente)

- Onde quero chegar com minha empresa? (Futuro)

- O que faço para conduzir minha empresa ao futuro sonhado? E como? (Ponte)

Temos aí nessas três perguntas a essência do que dever ser trabalhado em um PE. Simples não?! É…sabemos que não. Afinal, são perguntas inquietantes, cujas respostas demandam muito esforço. Porém, realizar o trabalho com essa organização de pensamento simples em mente já ajuda muito.

Onde minha empresa está agora?

O estímulo que essa pergunta nos dá para a reflexão vem de poder revisitar o propósito de nossa empresa, em questões fundamentais ligadas à sua missão, visão e valores, mas indo adiante. Precisamos avaliar a quem servimos, e a oferta que os fazemos, como somos reconhecidos, e como somos melhores que nossos concorrentes. Enfim, pensar e avaliar tudo isso já delimita um bom capítulo inicial para o nosso PE. Por exemplo, imaginemos que tenhamos uma fábrica de janelas de alumínio, que atualmente atende à grande Curitiba. Somos reconhecidos pela boa qualidade de acabamento e atendimento, e pelo preço competitivo. Mas o que penso sobre isso para daqui a cinco anos?

Onde quero chegar com minha empresa?

Um PE nos estimula a pensar no futuro, mas como não cair em futurologia? Que tal definirmos nossos “sonhos”? Mas que não sejam fantasias! O que vemos como o futuro da empresa? E como queremos que nossa empresa seja reconhecida? Para não cair em fantasias, precisamos pensar de forma concreta. Nosso “sonho” é expandir o mercado de atuação para alcançar outras regiões, como os litorais paranaense e catarinense, os Campos Gerais e o Vale do Itajaí. Também “sonhamos” em introduzir um novo material e uma nova linha de produtos, e para isso vamos trabalhar também com PVC, além do alumínio. Vamos estimar o potencial desse mercado e investir na capacidade produtiva necessária para essa expansão, sem esquecer os aspectos comerciais, financeiros, de logística e de pessoal. Para a nova linha produtos, investiremos na tecnologia de produção, em treinamentos e ainda no desenvolvimento de novos fornecedores. Enfim, vamos definir tudo que precisamos fazer em investimentos e ações para conduzir nossa empresa ao futuro sonhado.

Ao definir o presente e um futuro sonhado e viável, fica mais fácil construir a ponte que liga uma coisa a outra, que é traduzida em um conjunto de objetivos estratégicos e ações para fazê-los acontecer.



Sandro Gomes

Executivo e consultor com 19 anos de experiência em gestão de negócios e marketing, em empresas nacionais e multinacionais líderes em diferentes segmentos de mercado, como PURAC Corbion (indústria holandesa de biotecnologia), TIM Brasil Holding (empresa italiana de telecomunicações), e GRPCOM – Grupo Paranaense de Comunicação (empresa brasileira de comunicação e mídia afiliada à Rede Globo) Ferrero do Brasil (empresa italiana de bens de consumo marcas Kinder, Nutella, Tic-tac e Ferrero). Graduado em Engenharia Química (UFRJ) com Extensão em Marketing e MBA em Gestão Empresarial (ambos pela FGV). Inglês e espanhol fluentes. Atualmente é sócio-diretor da CrossVision Gestão de Negócios & Marketing, professor da disciplina de Sistemas de Inteligência de Mercado na pós-graduação da Universidade Positivo e ESIC Business & Marketing School, e colunista semanal de “Negócios & Marketing” no jornal Gazeta do Povo (Curitiba/PR). Como consultor prestou serviço a empresas como Fundação Dom Cabral (Unid. PR), Gráfica e Editora Posigraf, GAIN (Genebra/Suíça), IESE (Pamplona/Espanha Unid. IICS/São Paulo), Rede Globo (Unid. RPC TV/PR), PATH (Seattle/EUA), Leica Geosystems (Unid. Sul), Colégio Positivo, Buscapé (Unid. Navegg/PR), Gazeta do Povo entre outras.