Esqueceu sua senha?

Portal Competência

14 de outubro de 2014
Recursos Humanos


O pior inimigo de um executivo é o seu próprio ego

Especialista britânico em Liderança Transpessoal aborda o assunto em passagem pelo Brasil

O pior inimigo de um executivo e o seu proprio ego

Ele define a expressão “transpessoal” como sinônimo de “ir além do próprio ego” e garante que os executivos de hoje precisam entender e colocar em prática este conceito urgentemente. John Knights desembarca em São Paulo no final de outubro para treinar um grupo de executivos brasileiros. Aqui, ele aborda questões de inteligência emocional para lideranças.

Knights é professor da Universidade de Chester e ministrante premiado pela Escola de Coaching e Mentoring de Oxford. Também é mentor de executivos sêniores e presidente da Consultoria Britânica de Desenvolvimento de Lideranças com foco em Inteligência Emocional LeaderShape. Em suas pesquisas na área, ele defende que questões comportamentais são tão importantes para um líder quanto conhecimentos técnicos.


Saiba mais em: Não se engane: sua empresa não tem líderes natos


“Claro, as pessoas precisam de um intelecto razoável, mas o valor real desta competência é muito superestimado. Habilidades técnicas e negociais são indiscutivelmente ferramentas necessárias, mas, sozinhas, nunca farão o grande líder”, posiciona-se o professor. John afirma que os executivos, estejam em funções diretivas ou não, necessitam ter consciência de quem realmente são como pessoas (temperamento, perfil de caráter etc). Isso porque seus comportamentos impactam no desempenho de si mesmos e dos outros.

As vaidades pessoais são um dos maiores empecilhos para este autoconhecimento e para o avanço profissional de lideranças, segundo o presidente da LeaderShape. “Um líder precisa ser honesto consigo mesmo e avaliar se suas decisões visam apenas o benefício próprio ou se ele está considerando também o benefício dos outros e da empresa. Quando ele adquire esta consciência da motivação de suas ações, já começa a vencer o ego”, esclarece Knights.

Em frequente contato com executivos dos mais diversos portes, o professor avalia: “egos hipertrofiados têm a visão de que aquilo que os levou ao topo os ajudará a manterem-se lá, são resistentes a mudanças, não aceitam sugestões de pessoas de níveis mais baixos na organização, não reconhecem que ainda precisam de aperfeiçoamento”.


Saiba mais em: Antes de liderar os outros, lidere a si mesmo


Para auxiliar estes líderes, John Knights aconselha: “é preciso investir esforços para mover-se além das vaidades pessoais. Desenvolver um conjunto de princípios éticos que norteiem suas ações é fundamental, além de compreender como seus respectivos cérebros tomam decisões subconscientes, frutos dos instintos, da intuição e dos insights”.

A Consultoria Etiqueta Empresarial, em parceria com a Kope Consulting, trará novamente o Professor John Knights ao Brasil em março de 2015 para a ministração de um treinamento aberto ao público.



Redação, Portal Competência