Esqueceu sua senha?

Portal Competência

9 de janeiro de 2015
Sandro Gomes


Nicho de mercado: exemplo das mulheres da melhor idade

Um nicho de mercado representa boas oportunidades?
O que pensam as mulheres da melhor idade?
Qual o seu relacionamento com a beleza?

Nicho de mercado: exemplo das mulheres da melhor idade

Olhar para os nichos de mercado, é uma forma de identificar oportunidades de negócio. São segmentos muitas vezes fora do centro das atenções, mas que representam um bom potencial. Assim, atende-se a um público de maneira dedicada em suas necessidades específicas. Afinal, você não gosta de encontrar algo feito sob medida para você? E quem se dedica a atender a esses nichos, acaba ganhando seu reconhecimento, alcançado pelos esforços de elaboração de uma oferta, nem sempre fáceis de imitar.

Vejamos as mulheres de terceira idade, ou como dizemos hoje de melhor idade. As mulheres são personagens importantes na decisão de compra, participando ativamente, e muitas vezes decidindo as compras das famílias. E como uma empresa poderia oferecer algo sob medida para elas?

Mulheres na melhor idade.

A pesquisa realizada pela Diferencial Pesquisas em parceria com a FAE Business School no início desse ano, abordou mulheres curitibanas de classe média na melhor idade (Mulheres BC 60+). O intuito era compreender o significado da beleza nessa idade e as necessidades em relação a isso. Identificaram que, em geral, essas mulheres sentem-se realizadas e felizes e têm necessidade de afirmar isso. Sentem que cumpriram seus objetivos iniciais, e possuem alguns outros para essa fase, principalmente envolvendo a família. Querem manter-se ativas, com atividades físicas e trabalhos sociais, viajando e aproveitando a vida. Há uma liberdade conquistada que as fazem se sentir livres para fazer o que querem, dedicando-se a elas mesmas.

Estão aí boas dicas para as empresas oferecerem experiências nesse sentido, pois este grupo social representa cerca de 12% da população feminina, o que equivale a 11 milhões de pessoas no Brasil. É um potencial para produtos de beleza, vestuário e turismo, para citar alguns exemplos. O gasto médio mensal gira em torno de 110 reais com produtos de beleza, comprados preferencialmente em farmácias e em lojas especializadas, seguidos por consultoras de beleza.

A beleza na melhor idade.

Essas mulheres consideram cuidar da beleza mais importante do que quando tinham 30 ou 40 anos, por ser necessário maior esforço para se obter os resultados desejados. Junte-se isso ao fato de terem mais tempo para si mesmas, e temos aí uma boa combinação para o consumo de produtos e serviços de beleza. Quanto aos produtos, querem que tenham aspectos funcionais mais adequados à idade, como um maior poder de hidratação, capacidade de firmar a pele em áreas sensíveis, e xampus antiquedas e tonalizantes. Entre os produtos mais usados estão os tradicionais hidratantes faciais e corporais, protetor solar e a maquiagem, mas destaca-se a tintura de cabelo, usada por 70% das entrevistadas. É curioso perceber que acabam comprando produtos comuns, apesar de reconhecerem suas necessidades diferenciadas, pois não conseguem identificar produtos voltados para elas. Por isso, muitas vezes recorrem às farmácias de manipulação para obter o que desejam.



Sandro Gomes

Executivo e consultor com 19 anos de experiência em gestão de negócios e marketing, em empresas nacionais e multinacionais líderes em diferentes segmentos de mercado, como PURAC Corbion (indústria holandesa de biotecnologia), TIM Brasil Holding (empresa italiana de telecomunicações), e GRPCOM – Grupo Paranaense de Comunicação (empresa brasileira de comunicação e mídia afiliada à Rede Globo) Ferrero do Brasil (empresa italiana de bens de consumo marcas Kinder, Nutella, Tic-tac e Ferrero). Graduado em Engenharia Química (UFRJ) com Extensão em Marketing e MBA em Gestão Empresarial (ambos pela FGV). Inglês e espanhol fluentes. Atualmente é sócio-diretor da CrossVision Gestão de Negócios & Marketing, professor da disciplina de Sistemas de Inteligência de Mercado na pós-graduação da Universidade Positivo e ESIC Business & Marketing School, e colunista semanal de “Negócios & Marketing” no jornal Gazeta do Povo (Curitiba/PR). Como consultor prestou serviço a empresas como Fundação Dom Cabral (Unid. PR), Gráfica e Editora Posigraf, GAIN (Genebra/Suíça), IESE (Pamplona/Espanha Unid. IICS/São Paulo), Rede Globo (Unid. RPC TV/PR), PATH (Seattle/EUA), Leica Geosystems (Unid. Sul), Colégio Positivo, Buscapé (Unid. Navegg/PR), Gazeta do Povo entre outras.