Esqueceu sua senha?

Portal Competência

18 de setembro de 2014
Helio Meirim


A intralogistica e seus resultados

Como a intralogistica pode proporcionar melhores resultados para sua empresa

A-intralogistica-e-seus-resultados

Vivenciamos atualmente diversos desafios logísticos. Questões relacionadas a infra estrutura do país, gerenciamento cada vez mais focado na análise de custos x nível de serviços, carência de bons profissionais em determinadas funções, provedores de serviço que nem sempre conseguem cumprir o prometido e clientes demandando por serviços logísticos cada vez mais personalizados são apenas alguns destes desafios.

Superar desafios faz parte da rotina diária dos gestores logísticos. Por isso, sempre que me deparo com este cenário desafiador,  procuro fazer um  diagnóstico da situação encontrada  e,  após entender onde se deseja (ou se precisa) chegar, estabeleço junto com a equipe de trabalho, os planos de ações necessários para minimizar as lacunas (gaps) existentes entre  situação encontrada e a situação desejada (ou necessária).

Ao longo de minha jornada profissional, seja como executivo, seja como consultor, tenho identificado que a intralogsitica  (logística interna)  precisa e merece uma atenção especial por parte dos profissionais de logística.

Sabemos que a logística inbound  (suprimentos) é super importante para o negócio. Também sabemos que a logística outbound  (distribuição) é crucial para o atendimento do cliente. Mas, penso que se os fluxos   (materiais, informações e pessoas)  dentro dos armazéns, unidades fabris ou centro de distribuições estiverem desordenados, todos os demais processos logísticos (inbound e outbound) serão impactados de forma negativa.

Os principais processos relacionados a Intralogística são:

  • Recebimento – considerar desde o agendamento até o momento em que um item é recebido e conferido (quantidade e qualidade);
  • Acondicionamento –avaliar a forma mais adequada para  acondicionar os itens recebidos/produzidos, visando assim manter a integridade (física, quantidade e qualidade) dos mesmos;
  • Alocação no estoque – identificar, de acordo com as premissas definidas, a melhor localização para guardar o item recebido/produzido;
  • Armazenagem – identificar a melhor forma de armazenagem de um item, visando garantir a integridade (física, quantidade e qualidade), a identificação e a acuracidade dos itens em estoque;
  • Abastecimento das linhas de produção – separar e atender de forma rápida e confiável os itens necessários para os processos produtivos;
  • Picking – separar de forma ágil e confiável os itens solicitados nos pedidos de venda,
  • Packing – avaliar a forma adequada para  acondicionar os itens vendidos visando assim manter a integridade dos mesmos até que sejam entregues ao cliente final;
  • Identificação – avaliar a melhor forma de identificar os volumes que estarão sendo expedidos. Não se esquecendo de levar em consideração que as atividades de triagem, roteirização e entrega ao cliente, podem ser realizadas em condições adversas;
  • Expedição – assegurar a correta escolha do transportador, veiculo, cuidados na operação de carregamento,  conferência adequada e disponibilização dos itens e documentos de transporte de forma que o transportador tenha condições de assumir a responsabilidade pela carga;

 

Costumo ainda avaliar dois pontos em especial:

 

  • Realização de Inventário – avaliar a melhor forma de realização do inventário (cíclico ou geral), visando assegurar a acurácia dos mesmos.
  • Estabelecimento de Layout – entender como os itens, as pessoas e as informações circulam

Percebo que, a falta de atenção a estes processos internos,  vem gerando enormes prejuízos decorrentes de: excesso de estoque, queda de produtividade, atrasos na entrega, avarias, baixa acurácia do estoque, stock out, perdas de venda, fornecedores insatisfeitos e cobrando preços maiores devido a ficarem retidos por muito tempo em operações de carga e descarga, horas extras, acidentes, picos e ociosidade de equipes e equipamentos, ou seja temos um grande desperdício de recursos (financeiros, equipamentos, instalações, materiais e equipe).

Logo, recomendo avaliar cada um dos processos de logística interna (intralogística), buscando sempre identificar as possibilidades de  racionalização e otimização dos mesmos.  Neste momento a capacitação da equipe e o uso de tecnologia adequada ganham papel de destaque

Para encerrar, gostaria ainda de ressaltar que é imprescindível estarmos atentos a integração e sincronização dos fluxos de produtos, fluxos de informações e fluxos de pessoas.

Quanto maior for a integração e sincronização destes fluxos,  maiores serão as oportunidades de entender como a intralogistica poderá proporcionar melhores resultados para sua empresa.



Helio Meirim

CEO da HRM Logística consultora & treinamento, tendo atuado, por mais de 20 anos, no Brasil e no exterior, em cargos executivos de empresas nacionais e multinacionais nos segmentos de Operadores Logísticos, Transportadores, Varejo, E-Commerce, Indústria Farmacêutica, Alimentícia, Siderúrgica, Química e Agrobusiness. Msc em Administração coordena a comissão de logística do Conselho Regional de Administração – RJ, é professor, escritor, palestrante e compartilha suas ideias no blog www.hrmlogistica.wordpress.com. Contato meirim@hrmlogistica.com.br