Esqueceu sua senha?

Portal Competência

21 de janeiro de 2014
Administração


A importância das boas-vindas

Recepção de novos colaboradores deve ser feita com planejamento

A importancia das boas vindas

A atenção que as empresas têm dado à recepção e adaptação de profissionais recém-contratados tem crescido de maneira significativa nos últimos anos. A necessidade cada vez mais intensa de reter talentos diante da preocupante escassez de mão de obra qualificada no mercado é apontada como fator preponderante por especialistas em Gestão de Pessoas. Na ânsia de aplicar uma integração aos novos colaboradores, porém, nem sempre as organizações colocam em prática programas consistentes nesta área.

Tatiana Zeilmann é headhunter na De Bernt Entschev e tem acompanhado diversas empresas em suas estratégias de recepção e adaptação de profissionais recém-contratados. Segundo ela, foram nos últimos cinco anos que as organizações começaram a atentar com maior zelo pela a integração de novos colaboradores.

“Por ser uma preocupação ainda recente, algumas empresas se limitam a entregar uma cartilha com informações sobre a organização para o colaborador ler em casa ou deixam para aplicar a integração pessoal um ou dois meses depois que a pessoa é admitida – o que acaba não sendo eficaz”, explica Zeilmann.

A headhunter aconselha que os profissionais sejam recebidos e integrados já na primeira semana de atuação e não dispensa o contato pessoal de um instrutor de treinamento para a recepção do profissional: “a atividade prática é indispensável, a pessoa precisa visitar as áreas chaves da empresa, conhecer o funcionamento e a estrutura da organização com o encaminhamento de alguém. Em época de retenção de talentos, é preciso fazer com que o profissional se sinta acolhido e cuidado”.

Empresas com programas mais estruturados de adaptação de recém-contratados incluem suas estratégias de recepção em um planejamento consistente de desenvolvimento humano. Esse é o posicionamento da consultora Rosangela de A. Amadei Duarte, especialista em educação corporativa.

“Se o profissional foi contratado para ter ideias inovadoras, ações criativas e excelente desempenho é preciso proporcionar a essa pessoa um clima acolhedor, o colaborador tem que se sentir seguro para agir assim e bons programas de recepção fazem isso”, destaca Rosangela, que defende a inclusão dessas estratégias nos planos de educação corporativa.

A consultora ainda enfatiza que a recepção desses colaboradores não deve envolver só a capacitação técnica e esclarecimentos sobre a cultura da empresa: “o aspecto humano deve ser considerado, essas pessoas precisam de uma atenção especial. Isso lhes dará um sentimento de pertencimento precioso para a atuação delas na organização”.



Redação, Portal Competência