Esqueceu sua senha?

Portal Competência

5 de junho de 2014
Recursos Humanos


A Humanização na Gestão de Pessoas

O médico Patch Adams veio ao Brasil e compartilhou seu método com gestores de RH

A_Humanizacao_na_Gestao_de_Pessoas_pc

Como o amor pode mudar as organizações para melhor? Sobre este assunto o renomado médico americano Patch Adams é especialista. Sua filosofia e seu método de gestão se tornaram mundialmente conhecidos por meio do filme “O amor é contagioso”, estrelado por Robin Williams.

No último final de semana, o famoso humanista veio a São Paulo, para transmitir seus ensinamentos pessoalmente aos brasileiros. O evento, em formato de workshop, foi promovido pelo Elsever Institute e teve por tema “A Humanização na Gestão de Pessoas”. Saiba abaixo um pouco do que o médico compartilhou com os gestores de RH na ocasião.

Patch Adams declarou que a maior influência que os gestores podem promover em seu entorno profissional se dá por meio do amor. Respeito, dignidade, esperança, lealdade, criatividade, bom humor, coragem e responsabilidade social são as armas mais poderosas e democráticas a que se pode ter acesso na Gestão de Pessoas, segundo ele.

De acordo com Adams, grande parte dos problemas das organizações vêm do não-amor: “as empresas fazem seus profissionais acreditarem que o dinheiro é a riqueza que devem buscar. Na verdade, as relações são a maior riqueza e se essas pessoas trabalhassem por e com amor, tudo seria melhor”, enfatiza.

Nas palestras e seminários que ministra pelo mundo, o humanista americano sempre pergunta: “há algo mais importante que o amor para vocês?”. Segundo ele, entre as cerca de 40 mil pessoas já abordadas, apenas dez responderam que não consideram o amor o mais importante.

“Apesar disso, poucos profissionais hoje dominam a inteligência do amar. Não digo o sentimento do amor, mas a inteligência. Isso deveria ser ensinado na escola, mas não é. Ainda assim, pode ser colocado em prática em uma Gestão Humanizada”, comenta o palestrante.

Para aplicar a Gestão Humanizada em uma equipe, Patch enfatiza que a empresa precisa criar condições para que seus colaboradores sintam que o que fazem não é apenas um trabalho, mas uma realização pessoal. Cada conquista profissional de uma equipe deve ser também um passo em busca dos próprios objetivos de vida dos envolvidos.

O médico expôs o case de seu hospital, implantado nos Estados Unidos em 71.  Lá, a saúde integral dos funcionários é tão importante quanto a dos pacientes. O cuidado de seu público interno é desenvolvido não apenas com tratamentos médicos, mas por meio de jogos e diversão.  De acordo com Patch, a eficácia de tais métodos tem sido comprovada cientificamente.

O workshop “A Humanização na Gestão de Pessoas” foi ministrado nos dias 30 e 31 de maio, no Teatro Gazeta, em São Paulo, para gestores de pessoas e público em geral. A iniciativa veio do Elsever Institute, empresa de desenvolvimento pessoal.



Redação, Portal Competência