Esqueceu sua senha?

Portal Competência

12 de dezembro de 2013
Andersen Ballão Advocacia


Honorários advocatícios em causas trabalhistas

Projeto de Lei 33 não alterará a verdadeira indústria de reclamatórias trabalhistas

Honorarios advocaticios em causas trabalhistas

Sabe-se que, hoje, a legislação brasileira permite que as partes de uma causa trabalhista defendam por si só os seus interesses – sem a necessidade da contratação de um advogado para tanto. É o que se chama de jus postulandi. Daí decorre o motivo pelo qual, na Justiça do Trabalho, os honorários advocatícios só são devidos em caráter de exceção – se preenchidos dois requisitos, a saber, a assistência sindical e a precariedade econômica. Essa prática, porém, foi assim estabelecida quando a Justiça do Trabalho destinava-se a dirimir conflitos de pequena complexidade. Hoje, com litígios cada vez mais complexos, essa sistemática torna-se menos eficaz.

Tendo em vista o contexto citado acima é que a deputada federal paranaense Dra. Clair apresentou o Projeto de Lei 3.392/04, estabelecendo a imprescindibilidade da presença de advogado nas ações trabalhistas. Em 2013, entretanto, o referido projeto foi alterado pelo Projeto 33/13.

Pelo meu ponto de vista, esse jus postulandi, na prática, mostra-se prejudicial à parte que, sozinha, por falta de domínio do direito material e processual, não consegue defender seus direitos de forma efetiva. Nesta situação, é possível que um pedido, facilmente reconhecido com o auxílio de um advogado, seja indeferido. Ocorre que, embora a presença do advogado se mostre imprescindível, a inexistência de honorários de sucumbência na Justiça do Trabalho faz com que o trabalhador despenda recursos com a contratação do profissional, o que impede sua integral restituição. Por outro lado, a ausência de honorários de sucumbência gera distorções e abusos na provocação do Judiciário. Muitas ações são ajuizadas como se fossem verdadeiros bilhetes de loteria.

Para corrigir essas situações é que o Projeto de Lei 3.392 foi apresentado. Ele propõe a alteração do artigo 791 da Consolidação das Leis do Trabalho, a CLT. Além de estabelecer a imprescindibilidade da presença de advogado nas ações trabalhistas, dispõe sobre critérios para fixação de honorários advocatícios na Justiça do Trabalho. O projeto original previa a fixação dos honorários na esfera trabalhista de forma similar ao que ocorre na esfera cível. Silenciava, porém, quanto à condenação em caso de sucumbência recíproca.

Contudo, o projeto apresentado neste ano (PL 33/13) afasta expressamente a possibilidade de condenação recíproca a proporcional de honorários. O atual projeto de lei veda expressamente a condenação recíproca e proporcional da sucumbência. Mas, ainda, define que a parte que declarar não possuir condições de demandar sem prejuízo do próprio sustento ou de sua família não sofrerá condenação em honorários advocatícios.

Se aprovado o Projeto com a atual redação, na prática, os honorários advocatícios serão arcados apenas pela parte ré, acarretando um ônus ainda maior aos empregadores brasileiros. Dessa forma, o Projeto de Lei 33 não alterará a verdadeira indústria de reclamatórias trabalhistas que se instalou no Brasil.

 

Daniele Esmanhotto Duarte, é advogada graduada pela Faculdade de Direito de Curitiba e integra a equipe do escritório Andersen Ballão Advocacia desde 2011.



Andersen Ballão Advocacia

Fundado em 1979, o escritório atua na prestação de serviços jurídicos nas áreas do Direito Empresarial e Comercial Internacional. Também possui sólida experiência em outros segmentos incluindo o Direito Tributário, Trabalhista, Societário, Aduaneiro, Ambiental, Arbitragem, Contencioso, Marítimo e Portuário. Atende empresas brasileiras e estrangeiras dos setores Agronegócios, Automotivo, Comércio Exterior, Energias, Florestal, Óleo e Gás, TI, e Terceiro Setor, dentre outros. Com 60 especialistas jurídicos e 17 profissionais administrativos, a maioria fluente nos idiomas alemão, espanhol, francês, inglês e italiano, o escritório se destaca por uma orientação completa voltada para a ampla proteção dos interesses jurídicos de seus clientes.