Esqueceu sua senha?

Portal Competência

15 de outubro de 2013
Deise Bautzer


A gestão do capital intelectual

E os impactos nas organizações

A gestao do capital intelectual e o impacto nas organizacoees

Desde o começo do estudo da administração aplicada, o Capital Intelectual se manifesta em todas as ações da vida, nas decisões mais complexas, e até mesmo na sobrevivência da espécie humana; porém, faz pouco tempo que as organizações e seus administradores vêm percebendo a sua influência e suas implicações nos resultados empresariais.

Com o avançar do desenvolvimento social e as intensas reformulações nas relações de trabalho, a grande moeda de troca da chamada Era Informacional, ou Sociedade da Informação, passou a ser o capital intelectual e sua consequente aplicação na gestão de talentos dentro das organizações, independentemente de seu porte e/ou segmento de atuação, o grande foco de construção da vantagem competitiva das organizações de sucesso.

A discussão tomou rumo objetivando o desempenho organizacional com bases de relação na gestão do conhecimento e, principalmente, na utilização deste com o objetivo de alavancar e manter a construção da vantagem competitiva das empresas. Se, em algumas décadas atrás, o tamanho da organização em relação aos seus recursos físicos fazia a diferença nas análises estratégicas, hoje passou a ser considerado quase um aspecto secundário. As organizações passaram a ter sucesso consolidado nos seus princípios de gestão e agilidade nas mudanças e aquelas do segmento educacional ganharam relevância no mercado empresarial.

Na Era da Informação, o capital que passa a ter maior importância nas análises estratégicas é certamente aquele que circunda ativos intangíveis como o capital humano. Devido a essa gradativa importância, está se desenvolvendo dentro das organizações um total deslocamento dos ativos tangíveis e físicos para os ativos intangíveis e abstratos. Os ativos intangíveis, assim como as qualificações dos funcionários, a tecnologia da informação e os incentivos à inovação, por exemplo, podem desempenhar papel preponderante na criação de valor para a empresa.

As empresas estão agora focadas em identificar indicadores adequados para mensurar seus ativos intangíveis, como o capital humano (talentos e habilidades de seus funcionários) e o capital estrutural interno (sistemas administrativos internos) e externo (apoio e interesse de seus clientes e a idoneidade e rapidez de seus fornecedores). Esse tipo de capital é aquele que tem seu alicerce no conhecimento tácito, na gestão de talentos e nas competências essenciais e complementares.

Competência, ou o “saber ser”, foi incorporado no vocabulário empresarial com o objetivo de centralizar forças no desenvolvimento da eficiência no que tange à construção de seus colaboradores. Os ativos baseados no conhecimento devem ser avaliados com extrema cautela, porque seu impacto sobre o destino de qualquer negócio é tremendo.

Não basta ter pessoas, é preciso unir a forma eficiente às competências agregadas com o intuito de fortalecer as estratégias empresariais rumo à manutenção de uma vantagem competitiva de longo prazo. O conhecimento, material intelectual bruto, transforma-se em capital intelectual a partir do momento em que passa a adicionar valores aos produtos/serviços da organização, ou seja, a partir do processo de socialização do conhecimento. E esse capital é, em alguns casos, mais valioso do que o próprio capital econômico.



Deise Bautzer

Psicóloga, Especialista em Administração e Marketing – CDE/FAE, Especialista em Comunicação Audiovisual – PUC/PR, Mestre em Gestão Empresarial pela FGV, Doutoranda em Administração Empresarial pela Universidade do Mississipi USA, Articulista do CRIE Centro de Referência em Inteligência Empresarial da UFRJ. Consultora de planejamento estratégico desde 1993. Doutora Honoris Causa pelo Instituto Iberoamericano de Educação e Academia Mundial de Educação. Autora dos livros Inovação: Repensando Organizações, Atlas 2009 e Marketing de Cidades: Construção de Imagem, identidade e Futuro, Identidade e Futuro, Atlas 2010. dbautzer@yahoo.com.br