Esqueceu sua senha?

Portal Competência

29 de agosto de 2013
Silvia OSSO


A força de sua imagem pessoal

Pesquisas demonstram que as pessoas nos julgam logo nos primeiros 15 segundos que nos encontram

A forca da sua imagem pessoal

Pesquisas demonstram que as pessoas nos julgam logo nos primeiros 15 segundos que nos encontram

No mundo competitivo, a construção do seu Marketing Pessoal – isto é, da sua boa imagem pessoal, social e profissional – requer postura, hábito e vestimenta adequados. Os profissionais que têm consciência do poder da imagem dispõem de uma ferramenta poderosa que os leva ao sucesso, qualquer que seja a sua profissão.

No campo das empresas e na avaliação do profissional, são avaliadas as boas maneiras, a postura, a cortesia e a aparência. No mercado de trabalho, diante a dois candidatos com igual capacitação técnica, sobressai-se com maior chance aquele com melhor aparência e trato agradável. Os profissionais que dominam estes bem elaborados itens desenvolvem uma autoconfiança e reforçam sua atitude.
Costumamos frequentemente julgar os livros pela sua capa e as pessoas pela sua aparência. Interpretamos pessoas através de sinais não-verbais e as julgamos inteligentes, educadas e prósperas. A interferência dos sinais é muito grande sobre nosso marketing pessoal. Quem percebe a importância da comunicação não-verbal na sua exposição ao público sempre se sai melhor no ambiente de trabalho.

O que me refiro aqui como comunicação não-verbal, divide-se em dois grupos: Aparência e Linguagem Corporal.
A Aparência compreende às roupas, acessórios, beleza e higiene pessoal; já a Linguagem Corporal corresponde aos gestos, postura e etiqueta profissional.

Ter uma excelente capacitação técnica, cursos de especialização ou domínio de vários idiomas não são o suficiente no mercado de trabalho. Os entrevistadores muitas vezes dão uma “olhada geral” nos candidatos, antes de começar a entrevista, procurando dicas visuais para economizar seu tempo. Assim já são eliminados automaticamente os que estão passando mensagens negativas por meio de sua aparência ou maneiras, como homens com barba por fazer, mulheres com unhas roídas, sapatos mal cuidados, gestos irrequietos, entre outros detalhes que, a princípio, parecem bobos.

Cada sociedade tem seus padrões de avaliação e julgamento, portanto, existe uma vestimenta para cada tipo de situação, localidade ou cultura. Um banqueiro em centro urbano conduz seus negócios em uma sofisticada sala de reunião, vestido um terno impecável. O mesmo muitas vezes não acontece com o banqueiro de uma zona rural. Se estiver em Macau, o traje a rigor dos homens não é o smoking, mas sim uma camisa tipo havaiana toda estampada.

A presença visual tem que oferecer integridade e consistência. As roupas sozinhas não são um truque, claro. É a harmonia de todos os sinais não-verbais e a repetição deles que tornam a imagem consistente. Como uma identidade visual de uma empresa, que é repetida da mesma forma, seja qual for sua aplicação, é que dá consistência e credibilidade à marca.

Quero lembrar que a fórmula efetiva de uma comunicação não-verbal não está baseada em riqueza e berço, mas sim em aprender regras e técnicas de projetar sua imagem e sustentá-la em sua vida profissional. Assim como a formação acadêmica e a experiência profissional levam tempo para se conquistar, construir a imagem profissional também requer tempo e investimento financeiro, mas com empenho ou com auxílio de um profissional da área este objetivo pode ser facilmente atingido.

Basta querer!

 

Leia Também: “12 coisas que você precisa saber para ser produtivo”



Silvia OSSO

É palestrante e consultora de empresas. Jornalista , especialista em varejo,é autora dos livros Atender bem dá lucro ; Programa Prático de Marketing para Farmácias; Administração de Recursos Humanos e do DVD Etiqueta Empresarial.Contato via e-mail: siosso@uol.com.br . Para adquirir meus livros : www.lojacontento.com.br