Esqueceu sua senha?

Portal Competência

7 de novembro de 2014
Educação Corporativa


Falta de proficiência em inglês prejudica os negócios

Não basta aprender o idioma na teoria, é preciso saber usá-lo funcionalmente no trabalho

Falta de proficiência em inglês prejudica os negócios

O pouco domínio prático do inglês para uso profissional tem sido responsável por prejuízos financeiros em empresas brasileiras. Isto identificou um estudo realizado pela publicação inglesa The Economist. Segundo o levantamento realizado em 2012, 74% dos mais de 500 executivos nacionais consultados admitiram negócios não realizados por falta de habilidade na comunicação com outros países.


Saiba mais em: Em busca do profissional bilíngue


Dados ainda mais recentes confirmam o panorama acima. Em fevereiro deste ano, a consultoria Robert Half consultou mais de 100 diretores de RH do Brasil sobre o assunto. Os entrevistados, apesar de reconhecerem a importância da proficiência entre seus profissionais, declararam que apenas 20% dos executivos de suas organizações dominam, na prática e em nível avançado, o idioma.

A empresa De Bernt Entschev Human Capital que, entre outros serviços na área de gestão de pessoas, realiza recrutamento de executivos, percebe uma demanda crescente do mercado por profissionais com inglês em nível avançado para uso estratégico. “Seja para internacionalização ou ampliação dos mercados de importação, cada vez mais empresas exigem fluência imediata de seus profissionais”, explica a coach Cristiane Domingues Ribas.


Saiba mais em: Conteúdo aplicado em educação corporativa


Para confirmar o grau de proficiência dos candidatos a vagas de emprego, Cristiane esclarece que a De Bernt realiza entrevistas em inglês e, por vezes, solicitam diploma de certificação ou aplicam testes por escrito. “Isto ocorre quando a exigência é por domínio falado e escrito em nível avançado”, enfatiza.

A demanda por aprendizado do idioma para uso profissional também tem sido sentida pela Dtcom – Educação e Comunicação Corporativa.  Para atender a este nicho de mercado, a empresa desenvolveu cursos online que focam no uso prático do idioma exercitando o aluno no diálogo com estrangeiros.


Saiba mais em: Programação de cursos da Dtcom


 

Para tanto, foi escolhido um palestrante formado em Comércio Exterior e Letras e especializado na interpretação do idioma: Igor Stedile. O formato e-learning do curso também foi pensado para ser dinâmico, descontraído e de carga horária flexível para executivos. Além de vídeos, o curso “Inglês Intermediário na Prática” oferece material de estudo para impressão, revisões de aulas anteriores, atividades interativas para reforço e avaliações online para testar conhecimentos.



Redação, Portal Competência