Esqueceu sua senha?

Portal Competência

25 de julho de 2014
Eduardo Ferraz


Excesso de emoção atrapalha

Demonstrações emocionais são comuns, porém é preciso ter cuidado

Excesso_de_emocao_atrapalha_pc

Assim como o choro não é incomum no ambiente de trabalho, devido ao estresse vivido pela pessoa na empresa ou fora dela, outras demonstrações emocionais também podem ser recorrentes, porém é preciso cuidado para não perder o controle e, consequentemente, o emprego.

Tanto mulheres quanto homens são capazes de extravasar as emoções em seu local de trabalho. Pesquisa da escritora americana Anne Kreamer aponta que 41% das mulheres já choraram no expediente, assim como 9% dos homens.

Existem ainda aqueles profissionais que não choram, mas gritam, falam palavrões, vivem emburrados ou tratam mal os colegas e essas atitudes podem ser tão ou mais prejudiciais quanto chegar às lágrimas. Qual a autoridade de um chefe que xinga ou grita com as pessoas com frequência ou que sob pressão chora na frente de todo mundo? Excesso de emoção quase sempre pega mal.

Digo mais, reações emocionais mais extremas devem ser evitadas. Se você tem vontade de chorar por algum motivo, se retire e só retorne quando estiver recomposto. Chorar, gritar ou se zangar com frequência demonstra descontrole emocional, o que, dependendo da posição que você ocupe ou almeje ocupar, pode ser prejudicial.

Uma das atitudes que o departamento de Rh ou o próprio líder deve tomar com relação ao funcionário que esteja demonstrando comportamento inadequado é uma conversa direta sobre o problema, pois muitas vezes a própria pessoa não percebe o quanto seu trabalho está sendo prejudicado.

Quando a pessoa perde o controle com muita frequência e não consegue mais reagir é recomendável pedir férias ou até uma licença médica se for o caso de algum distúrbio de comportamento que precise ser tratado. Quanto mais cedo a pessoa procurar ajuda, maiores serão as chances de controlar o problema.



Eduardo Ferraz

É consultor em Gestão de Pessoas há 21 anos e especialista em treinamentos usando como base a Neurociência comportamental. Acumula mais de 30 mil horas de experiência prática em empresas de vários segmentos. É pós-graduado em Direção de Empresas pelo ISAD PUC-PR e especializado em Coordenação e Dinâmica de Grupos pela SBDG. Autor do livro “Vencer é ser você”, da Editora Gente. Para mais informações, acesse: www.eduardoferraz.com.br www.facebook.com/eduardoferrazconsultor