Esqueceu sua senha?

Portal Competência

13 de agosto de 2013
Recursos Humanos


Demissão. Uma difícil missão

Como evitar e quais os caminhos para demitir de maneira ética

Demissao. Uma dificil missao

Toda a empresa faz um investimento no colaborador que contrata. São esforços para a transmissão de conhecimentos, a capacitação técnica, a integração com a equipe, a inserção na cultura da organização. Demitir esse profissional significa perder tempo, dinheiro e, por vezes, credibilidade. Há casos, entretanto, em que o processo de desligamento se torna inevitável. Para essas situações existem orientações que tornam a demissão menos impactante tanto para a companhia, quanto para o trabalhador.

Tendo em vista os prejuízos citados acima, sabe-se que a exoneração de um profissional é uma ação que deve ser evitada ao máximo pela empresa. Para tanto, consultores de RH citam algumas ações que diminuem o número de demissões, como: cuidadosas avaliações comportamentais e técnicas antes da contratação, feedbacks constantes aos colaboradores sobre seus desempenhos e consultas frequentes sobre a satisfação dos profissionais.

Apesar de indesejado, entretanto, algumas situações tornam o desligamento necessário. “Isso ocorre quando, por exemplo, o profissional informa ter uma experiência ou técnica que não é verdadeira ou quando ele não tem um bom relacionamento com a equipe de trabalho, prejudicando o desenvolvimento dos negócios”, opina Teresa Fraga, presidente do Grupo DSRH, especializado em consultoria em recursos humanos.

Demissão ética

Quando a exoneração é a melhor alternativa para a empresa e para o próprio colaborador, a transparência é o melhor caminho a tomar. Isso porque demissões mal conduzidas têm o poder de tumultuar o ambiente de trabalho e prejudicar a imagem da organização. “Deve-se sempre falar a verdade para o profissional. Afinal, ele tem o direito de rever seus pontos negativos e corrigi-los ao saber do motivo de sua demissão”, aconselha a presidente do Grupo DSRH.

Para amenizar o processo de desligamento e contribuir com o futuro do colaborador demitido, existem algumas medidas que a empresa pode adotar. Lilian Delamico, consultora de recursos humanos da P&V Pessoas de Valores, cita as ferramentas de Outplacement. “É possível preparar o currículo do profissional para o mercado. Também é recomendável auxiliá-lo quanto à postura, o vocabulário e a apresentação ideal, direcionando-o para processos seletivos e resgatando a sua autoestima e motivação, além de mostrar gratidão pelo tempo de serviço”, sugere Lilian.



Redação, Portal Competência