Esqueceu sua senha?

Portal Competência

18 de fevereiro de 2014
Helio Meirim


E como será o cenário logístico em 2014?

Como sabemos? Responder a uma pergunta destas não é fácil!

E como sera o cenario logistico em 2014

Neste início de ano, tenho recebido algumas mensagens perguntando sobre o que acontecerá, em termos logísticos, em nosso país neste ano que se inicia.

Como sabemos, responder a uma pergunta destas não é fácil. Por isso, sempre que me deparo com esta questão, vou me lembrando de algum item que penso ser relevante para o cenário logístico em nosso país.

Penso que, ao término de 2014, ao reler este texto, poderei ter acertado em alguns poucos pontos, errado em muitos outros e não ter conseguido destacar alguns itens importantes. Isto poderá ocorrer pela dificuldade em visualizar alguns aspectos neste momento, ou pela dinâmica do mercado, que fará com que novos cenários sejam estabelecidos ao longo do ano.

Mas, mesmo sabendo destes riscos, fui registrando alguns pontos que penso serem importantes para que nós, profissionais de logística, estejamos atentos. Sendo assim, gostaria de compartilhar os mesmos com vocês, pois acredito que, através da troca de informações e conhecimentos, possamos enriquecer ainda mais esta simples e desafiadora lista.

  • Eficiência, eficácia e agilidade – As incertezas no cenário econômico (nacional e internacional) poderão gerar oscilações na demanda. Isto exigirá da área de logística das organizações uma busca por maior eficiência, eficácia e agilidade em seus processos. Somente assim, as organizações conseguirão se adequar a este novo momento visando manterem-se competitivas no mercado local e internacional;
  • Nível de serviço x Custo - A busca por melhorar a qualidade de serviço logístico prestado, com um menor custo, continuará sendo o foco, o que não é novidade para nós profissionais de logística. Por isso, será cada vez mais importante e decisivo, o monitoramento detalhado e constante dos custos logísticos envolvidos em cada operação, bem como o nível de serviço desejado pelo cliente.
  • Negociações – Decorrente do momento econômico e da busca pelo binômio nível de serviço e custo, as negociações passarão a ser cada vez mais estratégicas e determinantes para o sucesso das organizações. Isto vale tanto para as organizações contratantes quanto para as contratadas. Os profissionais de logística, responsáveis pela área de negociação, serão bastante exigidos neste quesito. Processos de seleção, avaliação e negociação com fornecedores precisarão estar na pauta central das empresas. Mas não podemos esquecer que negociação se resume a preço. Outros fatores precisarão estar, mais do que nunca, contemplados e agregados a esta atividade.
  • Mão de obra – A exemplo do que vem acontecendo nos últimos anos, a atividade de atrair, manter e reter mão de obra qualificada continuará sendo um grande desafio em 2014. Em todos os níveis, os desafios da mão de obra serão sentidos, tanto pela ausência de profissionais, quanto pela exigência destes, e também pela inabilidade da organização e dos seus gestores em lidar com sua equipe. Penso que as atividades operacionais (nível mais básico) serão ainda mais atingidas, pois poderá ocorrer uma migração de muito destes profissionais para outros segmentos, como o de turismo, que estará ainda mais aquecido em função da Copa do Mundo de Futebol.
  • Tecnologia – O uso intensivo de tecnologia continuará sendo um dos aliados na busca por uma melhor operação logística. Sistemas de informação para a tomada de decisão são cada vez mais importantes para o gestor, e, quanto maior a competição no mercado, maior a necessidade de agilidade na tomada de decisão. Por isso, esta é uma das áreas que continuará crescendo dentro das operações logísticas e que precisará ter uma atenção especial. Contudo, cuidado com os modismos e com o pensamento de que sozinha a tecnologia resolve tudo. Tecnologia sem processos e sem pessoas capacitadas pode trazer mais desafios do que resultados.
  • E-Commerce – O crescimento do comércio eletrônico vem modificando o cenário logístico nos últimos anos. Questões somente relacionadas a preço e a prazo de entrega já não serão suficientes para atrair e fidelizar o cliente. Ações como entregas em horário agendado (fora do horário comercial e durante os finais de semana), ou até mesmo feitas em supermercados ou lojas de conveniências, ganharão cada vez mais espaço. Para isto, as organizações que atuam neste segmento precisarão rever muitos de seus modelos logísticos existentes.
  • Logística Reversa – A conscientização da população em relação às questões ambientais junto à aplicação dos quesitos legais (PNRS) farão com que as empresas busquem, cada vez mais, colocar as práticas de logística reversa como parte de suas estratégias.
  • Entregas urbanas – As entregas de mercadorias nas grandes cidades continuarão sendo um dos grandes desafios em 2014. Medidas restritivas ao tráfego de veículos e janelas de agendamento terão de se unir a algumas outras ações, como entregas noturnas e pool de recebimento centralizado. Temos acompanhado que as medidas já adotadas ainda não foram suficientes para equacionar a situação, por isso penso que haverá uma tendência pela busca de novos modelos de entrega.
  • Mobilidade Urbana – Este é um dos pontos que estarão ainda mais em evidência no decorrer de 2014. Percebo que a população e as esferas públicas têm se conscientizado cada vez mais da importância de uma melhor qualidade em seus deslocamentos diários. Através desta crescente conscientização, penso que ocorrerá, mesmo que de forma tímida, a ter uma mudança nos hábitos das pessoas (maior uso de transporte coletivo, transporte solidário, uso de bicicletas, home Office, transporte solidário e outros). Junto com esta mudança de hábito, precisaremos de um contínuo investimento em infraestrutura por parte das esferas públicas, visando auxiliar neste processo de mudança, bem como uma nova reflexão por parte das organizações em relação, por exemplo, aos horários de trabalho, estacionamento para bicicletas e vestiário para banho antes do expediente.
  • Infraestrutura – A carência de infraestrutura logística (estradas, portos e aeroportos, silos) continuará sendo um grande desafio em 2014. As ações em curso poderão não ter seus efeitos sentidos neste ano, o que poderá gerar e agravar alguns gargalos logísticos no escoamento da safra e na locomoção diária nas cidades, por exemplo. Vale lembrar que este é um dos fatores que onera os custos e o nível de serviço das operações logísticas de grande parte das organizações.

Além dos pontos acima, não podemos esquecer que, em 2014, teremos, além da Copa do Mundo de Futebol, também as eleições. Esses eventos poderão nos trazer algumas mudanças nos cenários para este ano e aumentar um pouco mais os nossos desafios em termos logísticos.



Helio Meirim

CEO da HRM Logística consultora & treinamento, tendo atuado, por mais de 20 anos, no Brasil e no exterior, em cargos executivos de empresas nacionais e multinacionais nos segmentos de Operadores Logísticos, Transportadores, Varejo, E-Commerce, Indústria Farmacêutica, Alimentícia, Siderúrgica, Química e Agrobusiness. Msc em Administração coordena a comissão de logística do Conselho Regional de Administração – RJ, é professor, escritor, palestrante e compartilha suas ideias no blog www.hrmlogistica.wordpress.com. Contato meirim@hrmlogistica.com.br