Esqueceu sua senha?

Portal Competência

21 de outubro de 2014
Eduardo Ferraz


Como lidar com o arrependimento na vida profissional

Mais de 90% das pessoas declaram ter algum tipo de arrependimento na vida

O arrependimento na vida profissional

Trocar de emprego por motivo salarial e descobrir que o ambiente na nova empresa é péssimo, recusar uma promoção por ter medo de novos desafios e ficar mal visto, ou arrumar conflitos desnecessários são alguns arrependimentos bastante comuns entre os profissionais.

Segundo pesquisa recente da escola de negócios da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, mais de 90% das pessoas declararam ter algum tipo de arrependimento na vida. Na esfera corporativa, os arrependimentos mais comuns estão ligados ao não cumprimento de tarefas ou excesso de atenção ao trabalho em detrimento de questões pessoais, como familiares e amigos. Na prática, a maioria das pessoas tem o hábito de se questionarem bastante sobre suas decisões.

O interessante é como as pessoas reagem: Os profissionais mais maduros erram menos e quando o fazem aceitam o erro com mais serenidade. Os mais jovens sofrem mais com o impacto de escolhas e decisões equivocadas.  O desafio é fazer com que o erro não cause excesso de sofrimento e sim oportunidade de aprendizado.

O principal conselho para minimizar os erros e, obviamente, os arrependimentos é investir no autoconhecimento. Quem conhece bem seus pontos fortes e fracos tende a se posicionar onde possa render mais, pois tem o discernimento de escolher profissões, cargos ou atividades compatíveis com sua personalidade.

Muitas vezes os equívocos acontecem porque a pessoa tem um autoconhecimento limitado, o que a induz a falsas expectativas, decisões falhas e resultados ruins. Ainda assim, a vida é feita de decisões. Se você se equivocou capitalize isso e aprenda com o erro, respondendo as seguintes perguntas: Onde errei?; O que deveria ter feito de diferente?; Quais informações faltaram para uma melhor decisão?; Qual teria sido o resultado ideal?; Como acertar em situações parecidas, no futuro?

O passado não volta, mas se você prejudicou alguém vale a pena pedir desculpas para que o ressentimento, mágoa ou arrependimento não prejudique seu futuro e principalmente que alivie sua consciência no presente. Por fim, “o que não tem remédio remediado está”. Preocupe-se com o que poderá ser feito daqui para frente e siga adiante.



Eduardo Ferraz

É consultor em Gestão de Pessoas há 21 anos e especialista em treinamentos usando como base a Neurociência comportamental. Acumula mais de 30 mil horas de experiência prática em empresas de vários segmentos. É pós-graduado em Direção de Empresas pelo ISAD PUC-PR e especializado em Coordenação e Dinâmica de Grupos pela SBDG. Autor do livro “Vencer é ser você”, da Editora Gente. Para mais informações, acesse: www.eduardoferraz.com.br www.facebook.com/eduardoferrazconsultor