Esqueceu sua senha?

Portal Competência

17 de setembro de 2013
Qualidade de Vida


O cochilo que faz a diferença

Breve momento de sono após o almoço contribui com a produtividade

Sem titulo

Breve momento de sono após o almoço contribui com a produtividade

Em agosto deste ano, a BM&FBovespa surpreendeu a muitos divulgando a notícia de que instalou um “cochilódromo” em sua sede. O espaço, com cabines individuais e isoladas acusticamente, seria destinado aos colaboradores que desejam tirar um cochilo nos intervalos do expediente. A medida tem incentivado outras empresas a aderirem à prática. Mas, afinal, criar condições para que os profissionais tirem uma bela soneca após o almoço é produtivo?

De acordo com a pesquisa do Instituto de Estudos Biológicos da Califórnia, o cochilo traz benefícios, sim.  O estudo foi divulgado no livro “Tire um cochilo. Transforme a sua Vida”, da pesquisadora Sara Mednick. Entre as vantagens da soneca que foram citadas na obra, estão: redução do estresse, aumento da atenção, elevação da capacidade de memória, diminuição dos riscos de doenças cardíacas e até a melhora da libido.

Ainda outros ganhos do cochilo são citados pela neurologista da Clínica do Sono de Curitiba, Márcia Assis.  Especialista em Medicina do Sono, Márcia ressalta: “muitos profissionais de hoje dormem bem menos do que deveriam. Essa sonolência vai se manifestar após o almoço, devido à alimentação, e vai alterar o estado de humor da pessoa durante a tarde. O cochilo é revigorante, dá disposição, previne acidentes de trabalho e aumenta o desempenho”.

A médica Olga Judith é especialista em Neurofisiologia na Clínica Neurológica das Américas. Ela também defende os benefícios ocasionados por breves momentos de sono durante o dia. A médica alerta, porém: “as empresas devem ficar atentas, pois não é saudável que esse cochilo passe dos 30 minutos”.

Sonecas muito longas fazem o efeito contrário, segundo a médica Márcia Assis. “Caso durma mais do que 40 minutos, a pessoa vai ter dificuldade para levantar, pode sentir lentidão durante a tarde e até enjôos”, enfatiza.

 

Leia Também: “Um basta às doenças ocupacionais”



Redação, Portal Competência