Esqueceu sua senha?

Portal Competência

9 de agosto de 2013
Recursos Humanos


Coaching como cultura organizacional

RH valoriza o método, mas deve conscientizar as lideranças para torná-lo parte da empresa

Coaching como cultura organizacional

Os programas de coaching são a cada ano mais valorizados pelos profissionais de recursos humanos no Brasil. Esse panorama tem sido identificado pelas pesquisas anuais realizadas pela Sherpa Executive Coaching no país.

O último estudo mostrou que o pessoal de RH que vê o valor do coaching como “muito alto” subiu de 63% para 73% em um ano. Apenas acreditar no processo, porém, não é o suficiente para fazer com que ele seja parte da cultura da empresa.

Para que o coaching alcance todo o seu potencial dentro da empresa, aplicar sessões individuais para um ou dois colaboradores não é o suficiente. É preciso fazer com que a visão de coaching permeie toda a organização. De acordo com o coach Hilário Trigo, essa maneira de perceber o método ainda não é comum no Brasil.

Hilário Trigo tem mais de 10 mil horas de atuação em coaching junto a empresas nacionais e internacionais. Para ele, a conscientização das lideranças é o primeiro passo que o RH deve dar em prol de uma cultura de coaching.

“Muitos líderes ainda vêem o programa apenas como um treinamento convencional que leva a mudanças comportamentais e lapidação de competências. Mas ele é mais do que isso”, ressalta Hilário.

O presidente do IBC – Instituto Brasileiro de Coaching, José Roberto Marques, também defende que uma cultura de coaching começa pelas lideranças. “Devem-se formar Líderes Coaches, profissionais com formação em coaching que estarão preparados para implantar essa cultura no dia a dia da empresa e entre os colaboradores – seguindo o planejamento estratégico definido pela organização”, explica o presidente do IBC.

José Marques é Master Coach Senior e Trainer. Ele explica que os líderes com formação em coaching têm uma postura diferenciada: “a gestão deles é focada nos resultados e nas pessoas. Eles são respeitados e admirados pelos liderados. Conhecem a equipe e são flexíveis com ela. São empreendedores, ousados, proativos e sabem compartilhar seus conhecimentos e experiências”.

Marques reforça que, com uma liderança como a citada acima, a cultura da empresa é diretamente afetada. Valores, regras de conduta, princípios éticos e políticas de gestão são influenciados.



Redação, Portal Competência