Esqueceu sua senha?

Portal Competência

9 de agosto de 2013
Recursos Humanos


Administre conflitos internos com o TKI

Instrumento auxilia o RH a gerenciar desentendimentos entre colaboradores

Administre conflitos internos com o TKI

Em uma mesma empresa atuam os mais diversos perfis de profissionais. Essa variedade de personalidades enriquece o capital humano da organização. Porém, tantas diferenças também facilitam o surgimento de conflitos internos. São desentendimentos e discussões que, se não forem enfrentados e resolvidos com inteligência, geram prejuízos ao trabalho em equipe. Para auxiliar o RH a administrar problemas como esses, o TKI – Instrumento de Modalidades de Conflito Thomas Kilmann – tem se mostrado uma opção eficiente.

Não são poucos os gestores que, diante de conflitos surgidos dentro da empresa, fogem da situação ao invés de resolver o problema. Isso afirma a consultora organizacional da Fellipelli, Mariana Portela. Segundo ela, “no Brasil impera uma cultura que faz com que os profissionais não invistam tempo para lidar com conflitos, como se eles fossem uma briga que deve ser evitada”. A consultora cita o exemplo das empresas alemãs que, ao dedicarem-se à resolução desse tipo de problema, obtêm ganhos futuros nos negócios.

Para auxiliar os executivos brasileiros a lidarem com conflitos internos, o RH deve fazer com que esses profissionais saibam classificar os desentendimentos surgidos. Nesse sentido é que o TKI auxilia o gestor de recursos humanos, de acordo com Mariana Portela. “Existem os conflitos pontuais e os estratégicos. A forma de lidar com eles deve ser diferente. O TKI ajuda a pessoa a identificar com que tipo de situação conflituosa ela está lidando”, explica a consultora.

O Instrumento de Modalidades de Conflito Thomas-Kilmann também ajuda o RH a classificar como cada profissional da equipe tende a agir diante de situações delicadas. “Cada pessoa tem um estilo de comportamento nesses contextos. O TKI mede o nível de cooperatividade e de assertividade do profissional para trazer à consciência essas atitudes e, assim, ajudá-lo a agir da maneira ideal”, esclarece Mariana.



Redação, Portal Competência