Esqueceu sua senha?

Portal Competência

7 de janeiro de 2015
Recursos Humanos


ABRH prevê um 2015 desafiador para o setor

Expectativa de crescimento econômico reduzido agrega valor às ações de motivação

ABRH prevê um 2015 desafiador para o setor

Chega o novo ano e, com ele, aumentam as expectativas das empresas e dos profissionais sobre o que o mercado reserva. As dificuldades enfrentadas em 2014 não foram poucas. A Copa do Mundo e as Eleições trouxeram competitividade e incertezas. E para 2015? O que se pode esperar? Sobre estas previsões fala o Diretor de Educação da Associação Brasileira de Recursos Humanos, Luiz Edmundo Rosa.

De acordo com Luiz Edmundo, os acontecimentos de 2014 fizeram com que as organizações postergassem as suas ações. “A inflação, o baixo crescimento econômico e um cenário incerto resultaram em um ano dificílimo e de retração para diversos setores da economia”, ressalta o Diretor da ABRH – Nacional.

Já para 2015, a ABRH prevê um ano desafiador, já que a previsão continua sendo de baixo crescimento econômico e ajustes fiscais. Em meio a equipes frustradas, com pouco bônus e baixas possibilidades de evolução de carreira, o setor de RH tem uma missão: buscar soluções não financeiras para manter a motivação de seus colaboradores e o clima de positivismo entre os profissionais.

“Ao setor de Gestão de Pessoas, caberá o trabalho de reforçar os laços com as equipes e promover a participação das pessoas com sugestões e ideias que façam a diferença em suas vidas e trabalhos”, alerta o Diretor.

Algumas mudanças de políticas de RH devem estar na mira dos profissionais da área, com atenção especial às oportunidades oriundas das tensões naturais do mercado. Algumas ações, como cita Luiz Edmundo Rosa, podem surtir efeito real e direto na vida dos colaboradores.

A mobilidade urbana é um desafio na vida de todos que vivem em grandes centros urbanos. Os profissionais certamente ficariam mais satisfeitos se economizassem um pouco do tempo que gastam no trânsito. Negociar horários mais flexíveis e dias de home office pode ser uma alternativa viável”, diz.

A segunda maior despesa das empresas, depois da folha de pagamento, são os planos de saúde empresariais, sendo que os custos de saúde só sobem. Muito embora as pessoas se consultem com médicos e realizem exames periódicos, é preciso investir em educação para saúde, de acordo com o Diretor da ABRH.

“As empresas têm que perceber que os colaboradores vão ao médico, mas o perfil de risco não muda. É preciso ajudar as pessoas a assumirem a responsabilidade de cuidar delas mesmas, quererem melhorar e buscar um dia a dia saudável. Só assim os custos de planos médicos irão reduzir”, alerta.

O setor exigirá que os profissionais tenham atitude inovadora, corajosa e transformadora. “O RH de sucesso em 2015 será aquele que promover a cultura da inovação, investir nos líderes, estimular o reconhecimento e se mobilizar para facilitar a vida das pessoas”, finaliza o porta-voz.



Redação, Portal Competência