Esqueceu sua senha?

Portal Competência

10 de julho de 2014
Administração


7×1: quando a racionalidade supera o jeitinho

Por Denise Revelk Cecatto

7x1_quando_a_racionalidade_supera_o_jeitinho_pc

Não tinha como evitar: a derrota do Brasil para a Alemanha, por 7X1, provocou a vontade de escrever sobre o tema. Afinal, a dificuldade do jogo já era previsível, mas o tamanho da derrota foi algo inédito e assustador. Como gosto de escrever sobre estratégia, eu pergunto: qual foi o erro estratégico?

Entendo quase nada de futebol, mas eu e milhões de torcedores podemos afirmar com segurança que faltou planejamento da estratégia de jogo.  Tudo bem que derrotas fazem parte do esporte, que a superioridade do time alemão é inquestionável. Tudo bem que houve desfalques importantes no time – a saída do Neymar evidentemente fez diferença, porém time que é time TREINA pesado e SE PREPARA para enfrentar diferentes cenários. Mas há alguns anos que a seleção não vem apresentando nosso melhor futebol. E o pior cenário, com a maior das adversidades aconteceu: jogar uma semifinal, com um grupo desfalcado, contra um time preparadíssimo como a Alemanha – um país cuja competência futebolística é reconhecida e que dá show também em outros campos.

A ausência do craque na semifinal e a falta de atitude do técnico em reagir à goleada enfraqueceram  ainda mais o time. Não digo que faltou sorte. Nem quero julgar a competência dos jogadores e do técnico. O problema também é a nossa expectativa. Definitivamente não dá para contar somente com o jeito brasileiro de ser, alegre, leve e solto, que acredita que no fim tudo vai dar certo, que se apoia na força de vontade para ganhar um jogo. Vivemos em um país onde os apelos emocionais da publicidade, por exemplo, se sobrepõem à razão e à análise.  A  emoção de presenciar o maior campeonato esportivo do mundo em casa e a esperança  de vencer todas as adversidades apresentadas nos levou a uma falsa sensação de que podíamos chegar lá, mesmo com dificuldades. Só que veio a frustração, junto com a tristeza e a perplexidade. Agora, só resta  transformar esta derrota histórica em aprendizado. Ser campeão do mundo não é o que vai mudar nossa realidade, e este resultado traz a chance de resgatar a capacidade de se recompor,  de fazer melhor e de dar a volta por cima na próxima oportunidade.

Essa reflexão se aplica também ao mundo corporativo: quantas vezes analisamos todos os cenários possíveis e nos preparamos para eles?  Quantas vezes planejamos a comunicação de forma estratégica? A gestão da comunicação da imagem e posicionamento nas organizações, se realizada corretamente, gera credibilidade e reputação da marca. Para isso, é necessário analisar todos os cenários possíveis e se preparar para executar  as ações apropriadas para que os objetivos sejam alcançados com excelência.  No caso de, ainda assim acontecer uma crise ou fatalidade, saberemos como minimizar os impactos e gerenciar as consequências da melhor forma possível, preservando a imagem e a reputação da organização. Estamos falando de PLANEJAMENTO.

E esse foi o erro estratégico da seleção brasileira. Não foi má sorte. Foi falta de planejamento e de preparo técnico, tático e físico, que acabou por abalar a imagem e o posicionamento vencedor de uma marca valiosa para os brasileiros.

 

Denise Revelk Cecatto - Profissional de Relações Públicas com sólida experiência no planejamento e implementação de estratégias de comunicação e relacionamento institucional em multinacionais e em organizações como FIEP (Federação das Indústrias do Estado do PR) e Governo do Estado do PR. Atualmente é responsável pelos serviços de consultoria de imagem e posicionamento da Smartcom – Inteligência em Comunicação e docente dos cursos de pós-graduação em Gestão da Comunicação da FAE Business School e Universidade Tuiuti do Paraná.



Redação, Portal Competência